Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2010

falso soneto

pernoite encarece o gozo em até três horas se não cabemos mais na rapidinha afoita
Que nos apresentou, é que os anos passaram e agora até os meses somam desgraças ao que já não era alegria
e se ao telefone não há carícias, igual ao vivo, este silêncio só merece fim no seu gargarejo com água de ducha,
pós-tudo é um princípio errôneo de descrição do mundo, tortuose senfim, meu bem, não é de estocadas que suas pernas tremem.
, lrp. 22/08/10, 17h23.
linhagem linhaça linguagemQue bobagem a intençãosó o impulso se justifica – eu quisa linha inteira de súbito quebradaversoé o poema que pretende tantopoesiadas coisas só se for a caligrafiaalgo muito renteo sempre quase a mesma coisaonze liames. lia

, lrp. Sampa, 17/07/10, 16h21.