Postagens

Mostrando postagens de Março, 2013

[Eu desenho na vaga,] lido

Imagem
sardá also, moço

talvez seja meu verso mais bonito

& o meu delay

& o seu silêncio

minha melhor poética.

trocaria fácil por você aqui
peito glabro (largo)
com a legenda passivo

sem mais detalhes
além de querer local

as orelhas fugindo do rosto,
os lábios tão parecidos

o de baixo com o de cima,
bigode incipiente

pescoço curto nome
bíblico pecado

motel labareda,
consolo de bronze.

três poemas antecedidos de para

para André Pereira
libélula de apartamento
quando dobra o pinto contra o assoalho claro
não encontra a virilidade que pretendia tirar

e, sobre o chão,
não é mais do que o besouro morto
que eu pretendia descrever com barbas.

(Porto Alegre, 8jan13)


para Raquel Parrine
quando junta tranco com tranco
meu coração não dá conta

é preciso ficar onde borbulha,
aproveitar a paisagem

o único mapa que levo são os gêiseres.


(que está em PoA) para Marcelo Pierotti
oroboros cão
só que dois uma ilusão de quem costuma beber cita Hobbes que te mordo, duvida não encaro o que periga canibalismo é coisa daquelas que se faz entra acho que se devoravam, se eu culpar a pardice da noite pela dúvida
terei que ignorar que não latiam, que não abanavam o rabo,
que a fome lhes me ausentava.
(que perdeu esta aposta)
gente que quica a sorte até quebrar
e nunca mira a cesta

ou o lixo

você me diz que a calçada de lajotas
é para absorver a água

não para contá-las

mas sem o seu amor,
por que não?