Não respeito seus olhos fechados, te espio. Não sei o quanto isso prejudica o desempenho do meu beijo, nem ligo. Só esta situação me põe na posição em que seu nariz fica mais feio e só nela aprendo a admirá-lo. Quando amo, vejo uma silhueta e a amo. Aí pisco e vislumbro detalhes, que me consomem: uma pinta, um corte, uma frase.

Comentários

Marcelo Pierotti disse…
Isso é peculiar, pra dizer o mínimo. Taí um tipo de texto que não leio muito de você, seja por que você não costuma escrever esse tipo de coisa, seja porque você não costuma mostrar.

Carajo, faz tempo que não repito tanto essa palavra...

Hasta, rapaz.

Postagens mais visitadas deste blog