Não há solidão
como daqueles que roem moinhos
à caça de pás menos terrenas,

fúnebre é a vida não o preto do luto,
sei que o que digo é brega,

mas a vida não está para nenhum Góngora
e eu quero que você me entenda sem diletâncias,

me formei em licenciatura quase em vão (diploma),
você me encara ainda com os mesmos olhos, "hoje,

deidade humana (paradoxo), amanhã, meu bem,
pouca terra (metonímia)", falho de ponta a ponta.

Comentários

O Autor. disse…
joga tudo fora e fica com "a vida não está para nenhum Góngora"... hehehehe

Postagens mais visitadas deste blog