Tudo conhece limite de ultraje. Até a comoção.

Ajeita esse vestido rosado, piedade.
A rosa que eu portava à boca feneceu.

tesourinha de cortar unha de gato,
trocar a lâmpada e nunca mais se acomodar

à luz. Almofada com estampa de tigre.

As vigas de ferro que seguram objetos leves,
o celular pisca, meu natal é pão com manteiga,

meu pai em algum lugar do mundo agora come sorvete.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog