poema de 01/09/09.

*

É segunda de novo e nada mudou,
o sol é forte e está.

Escher é quem sabia pensar,
rearranjo pensamentos
em resultados porcos.

Hoje novamente não te verei
e tem sido assim desde data obstruída:
queimei calendários, querosene,
foi Gullar quem me ensinou a fazer assim.

Ouvindo Doves pela quinhonhésima vez,
o sol assim claro ainda é o que mais arde.

Ainda não tenho grana para comprar o Away,
mas isso não desvalida o que escrevi em Mongaguá:

I think I love you enough to handwrite all the Robery Creeley's poems.
I hope I love you (time) enough to send you them a single verse per day.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog